JOELHO

síndrome patelo-femoral

introdução e definição

O Síndrome Patelofemoral (SPF)  consiste num desalinhamento  (estrutural/dinâmico) da rótula (ou patela)  em relação ao fémur.

 

Está associado a um ângulo Q aumentado, proporcionado por características anatómicas denominadas como a Tríade Miserável:

  • Anteversão femural

  • Joelhos valgos

  • Rotação externa tíbias/pronação pés

 

É mais comum em atletas hiperlaxos.

história e SINTOMAS

O Síndrome Patelofemural divide-se em 3 tipos:

  • Dor Patelofemural 

Em escadas ou quando muito tempo sentado  (“sinal do cinema").

  • Instabilidade Minor 

Episódios de subluxações da rótula sentidos pelo doente.

  • Instabilidade Major

A rótula luxa completamente necessitando de auxílio para ser reduzida.

EXAMES AUXILIARES DE DIAGNÓSTICO

Radiografia

Útil na avaliação de fraturas/luxações e na avaliação da altura da rótula.

 

TAC

Útilizado para avaliação/medição das relações ósseas patela-fémur-tíbia.

 

RMN

Permite a avaliação concomitante da cartilagem e ligamentos.

TRATAMENTO

Conservador

Deve ser a opção inicia na maioria dos casos de SPF.

  • Fisioterapia

Cirúrgico

Nos caso de falência de fisioterapia.

As diferentes técnicas cirúrgicas podem ser utilizadas individualmente ou combinadas, conforme a avaliação dos motivos causadores do SPF.

  • Artroscopia  (libertaçao da “asa” externa da rótula)

  • Reconstrução do Ligamento Patelofemural (responsável parcialmente pela estabilização da rótula)

  • Realinhamento do aparelho extensor do joelho  (a diferentes níveis deste aparelho)

PROGNÓSTICO

O Prognóstico após tratamento do SPF é bom, com retoma das atividades desportivas/lazer habituais.